terça-feira, 21 de dezembro de 2010


A Holiday Message from Ricky Gervais: Why I’m An Atheist

Ricky Gervais

Ricky Gervais is the writer and star of HBO’s “Ricky Gervais Out of England 2: The Stand-Up Special.” To go to his website click here.

Why don’t you believe in God? I get that question all the time. I always try to give a sensitive, reasoned answer. This is usually awkward, time consuming and pointless. People who believe in God don’t need proof of his existence, and they certainly don’t want evidence to the contrary. They are happy with their belief. They even say things like “it’s true to me” and “it’s faith.” I still give my logical answer because I feel that not being honest would be patronizing and impolite. It is ironic therefore that “I don’t believe in God because there is absolutely no scientific evidence for his existence and from what I’ve heard the very definition is a logical impossibility in this known universe,” comes across as both patronizing and impolite.

Arrogance is another accusation. Which seems particularly unfair. Science seeks the truth. And it does not discriminate. For better or worse it finds things out. Science is humble. It knows what it knows and it knows what it doesn’t know. It bases its conclusions and beliefs on hard evidence -­- evidence that is constantly updated and upgraded. It doesn’t get offended when new facts come along. It embraces the body of knowledge. It doesn’t hold on to medieval practices because they are tradition. If it did, you wouldn’t get a shot of penicillin, you’d pop a leach down your trousers and pray. Whatever you “believe,” this is not as effective as medicine. Again you can say, “It works for me,” but so do placebos. My point being, I’m saying God doesn’t exist. I’m not saying faith doesn’t exist. I know faith exists. I see it all the time. But believing in something doesn’t make it true. Hoping that something is true doesn’t make it true. The existence of God is not subjective. He either exists or he doesn’t. It’s not a matter of opinion. You can have your own opinions. But you can’t have your own facts.

Why don’t I believe in God? No, no no, why do YOU believe in God? Surely the burden of proof is on the believer. You started all this. If I came up to you and said, “Why don’t you believe I can fly?” You’d say, “Why would I?” I’d reply, “Because it’s a matter of faith.” If I then said, “Prove I can’t fly. Prove I can’t fly see, see, you can’t prove it can you?” You’d probably either walk away, call security or throw me out of the window and shout, ‘’F—ing fly then you lunatic.”

This, is of course a spirituality issue, religion is a different matter. As an atheist, I see nothing “wrong” in believing in a god. I don’t think there is a god, but belief in him does no harm. If it helps you in any way, then that’s fine with me. It’s when belief starts infringing on other people’s rights when it worries me. I would never deny your right to believe in a god. I would just rather you didn’t kill people who believe in a different god, say. Or stone someone to death because your rulebook says their sexuality is immoral. It’s strange that anyone who believes that an all-powerful all-knowing, omniscient power responsible for everything that happens, would also want to judge and punish people for what they are. From what I can gather, pretty much the worst type of person you can be is an atheist. The first four commandments hammer this point home. There is a god, I’m him, no one else is, you’re not as good and don’t forget it. (Don’t murder anyone, doesn’t get a mention till number 6.)

When confronted with anyone who holds my lack of religious faith in such contempt, I say, “It’s the way God made me.”

But what are atheists really being accused of?

The dictionary definition of God is “a supernatural creator and overseer of the universe.” Included in this definition are all deities, goddesses and supernatural beings. Since the beginning of recorded history, which is defined by the invention of writing by the Sumerians around 6,000 years ago, historians have cataloged over 3700 supernatural beings, of which 2870 can be considered deities.

So next time someone tells me they believe in God, I’ll say “Oh which one? Zeus? Hades? Jupiter? Mars? Odin? Thor? Krishna? Vishnu? Ra?…” If they say “Just God. I only believe in the one God,” I’ll point out that they are nearly as atheistic as me. I don’t believe in 2,870 gods, and they don’t believe in 2,869.

I used to believe in God. The Christian one that is.

I loved Jesus. He was my hero. More than pop stars. More than footballers. More than God. God was by definition omnipotent and perfect. Jesus was a man. He had to work at it. He had temptation but defeated sin. He had integrity and courage. But He was my hero because He was kind. And He was kind to everyone. He didn’t bow to peer pressure or tyranny or cruelty. He didn’t care who you were. He loved you. What a guy. I wanted to be just like Him.

One day when I was about 8 years old, I was drawing the crucifixion as part of my Bible studies homework. I loved art too. And nature. I loved how God made all the animals. They were also perfect. Unconditionally beautiful. It was an amazing world.

I lived in a very poor, working-class estate in an urban sprawl called Reading, about 40 miles west of London. My father was a laborer and my mother was a housewife. I was never ashamed of poverty. It was almost noble. Also, everyone I knew was in the same situation, and I had everything I needed. School was free. My clothes were cheap and always clean and ironed. And mum was always cooking. She was cooking the day I was drawing on the cross.

I was sitting at the kitchen table when my brother came home. He was 11 years older than me, so he would have been 19. He was as smart as anyone I knew, but he was too cheeky. He would answer back and get into trouble. I was a good boy. I went to church and believed in God -– what a relief for a working-class mother. You see, growing up where I did, mums didn’t hope as high as their kids growing up to be doctors; they just hoped their kids didn’t go to jail. So bring them up believing in God and they’ll be good and law abiding. It’s a perfect system. Well, nearly. 75 percent of Americans are God-­‐fearing Christians; 75 percent of prisoners are God-­‐fearing Christians. 10 percent of Americans are atheists; 0.2 percent of prisoners are atheists.

But anyway, there I was happily drawing my hero when my big brother Bob asked, “Why do you believe in God?” Just a simple question. But my mum panicked. “Bob,” she said in a tone that I knew meant, “Shut up.” Why was that a bad thing to ask? If there was a God and my faith was strong it didn’t matter what people said.

Oh…hang on. There is no God. He knows it, and she knows it deep down. It was as simple as that. I started thinking about it and asking more questions, and within an hour, I was an atheist.

Wow. No God. If mum had lied to me about God, had she also lied to me about Santa? Yes, of course, but who cares? The gifts kept coming. And so did the gifts of my new found atheism. The gifts of truth, science, nature. The real beauty of this world. I learned of evolution -– a theory so simple that only England’s greatest genius could have come up with it. Evolution of plants, animals and us –- with imagination, free will, love, humor. I no longer needed a reason for my existence, just a reason to live. And imagination, free will, love, humor, fun, music, sports, beer and pizza are all good enough reasons for living.

But living an honest life -– for that you need the truth. That’s the other thing I learned that day, that the truth, however shocking or uncomfortable, in the end leads to liberation and dignity.

So what does the question “Why don’t you believe in God?” really mean. I think when someone asks that they are really questioning their own belief. In a way they are asking “what makes you so special? “How come you weren’t brainwashed with the rest of us?” “How dare you say I’m a fool and I’m not going to heaven, f— you!” Let’s be honest, if one person believed in God he would be considered pretty strange. But because it’s a very popular view it’s accepted. And why is it such a popular view? That’s obvious. It’s an attractive proposition. Believe in me and live forever. Again if it was just a case of spirituality this would be fine.

“Do unto others…” is a good rule of thumb. I live by that. Forgiveness is probably the greatest virtue there is. But that’s exactly what it is -­‐ a virtue. Not just a Christian virtue. No one owns being good. I’m good. I just don’t believe I’ll be rewarded for it in heaven. My reward is here and now. It’s knowing that I try to do the right thing. That I lived a good life. And that’s where spirituality really lost its way. When it became a stick to beat people with. “Do this or you’ll burn in hell.”

You won’t burn in hell. But be nice anyway.

sábado, 30 de outubro de 2010


Não entendo as pessoas, submeter assim os outros ao regime, mandá-los alinhar segundo uma conduta que não é a sua só por interesse moral e porque fica bem na foto, e depois quando se tenta dar um toque de personalidade a uma vida que já por si perdeu todo o sentido, é-se escorropichado, sob a desculpa de que se poderia "chocar as pessoas".

No final de contas vivemos sob um gigante lápis azul que se chama commumente sociedade
Dizem as pessoas que são católicas que Deus as guia nos tempos difíceis e as ajuda a tomar decisões delicadas. Não sei por que vias tal se processa, ou se é placebo o efeito que se verifica, mas neste momento gostava de ter um deus só meu, imparcial e consciente, que me dissesse o que fazer.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Roadtrip to Macedónia e anexos - capítulo 3

“Que puto de fim do mundo onde nos viemos meter. Que raio de país de terceiro mundo, este!”

Finalmente cheguei à Macedónia, o que prova que a persistência compensa. Persistência em grandes doses. Enormes. Cheguei a achar que a Macedónia tinha uma barreira fortíssima anti-portugueses, ou anti-eu, de tão difícil que foi entrar neste pequenino desterro em que me encontro.

Depois do incidente que já relatei na crónica passada, eis que chegamos à fronteira da Macedónia e nos exigem 50 euros porque o seguro do carro não abrange este país de “risco acrescido”. É como um país diabético com dois incidentes de AVC no historial da seguradora. Nada contra, cada um com as suas doenças, não vamos discriminar ninguém, mas olhem, não temos 50 euros em dinheiro, podemos pagar com cartão? Não. Então? Então, olhem, não entram, respondeu-nos um encolher de ombros com o máximo de desprezo que um deltóide e um trapézio conseguem expressar. Mas não podemos ir de táxi até ao ATM mais próximo e levantar dinheiro? Podem, mas só podem ir dois de vocês e só levam um passaporte. E se aparecer a polícia e nos pedir identificação? Estão tramados, mas não é nada comigo (afinal um encolher de ombros consegue ser bastante expressivo, e é fluente em todas as línguas do mundo).

Fomos então eu, o meu pai e o seu passaporte num Kia que não tinha taxímetro, nem letreiro indicativo de táxi, muito menos aquele número que nos estão sempre a dizer os taxistas que serve para a polícia ver que os taxistas não estão a aldrabar na tarifa. Claro que não pode ter, os primeiros sabem que os segundos estão a aldrabar, para quê darem-se ao trabalho de pôr uma luzinha no tecto do carro? Para ficar bonito? Até destoava. E 20 euros, um “Cristiano Ronaldo? Portugalia dubro! Mourinho! Figo! Dubro, dubro!” depois, estávamos prontos a arrancar para a Big Apple.

Como não tinha feito o trabalho de casa, espantei-me bastante por constatar que Skopje chega a ter 1 milhão de pessoas durante o período escolar. Não sei onde se escondem, e em que buracos subterrâneos vivem, mas dou-lhes os meus parabéns. Conseguem camuflar uma enorme metrópole à vista dos turistas, de modo que estes chegam a pensar estar num constante subúrbio, espectante que algo surja para que possam compreender atributo de capital, e acima de tudo, CIDADE, a Skopje.

Após mais uma tentativa de me desviar do meu fim, cuspindo-me para a auto-estrada com destino a Atenas mal nela entrei, consegui domar a fera. Chegara a Skopje, sentindo-me invencível.

Mas nada dura eternamente, muito menos a minha confiança neste país: Fui conhecer hoje o hospital. E apresentar-me como trabalhadora empenhada e sedenta de investigação. Estou num Research Exchange, e estou em bioquímica, num projecto que não tem muito que ver com nada que eu faça em Portugal, mas pronto, não importa, estou em bioquímica! Algo me há-de ser útil! Ler artigos, conhecer técnicas que posso depois levar para o laboratório e dizer “Hey! Fui para o terceiro mundo mas valeu a pena! Reparem como eles fazem esta técnica tão incrível! E nunca nos ocorreu! Hey! Já estou tão mais expe...rien... Como? Não há investigação no Verão porque as pessoas estão de férias? Mas então o que raio estamos aqui a fazer? O projecto que nos calhou nem sequer existe?

Não fosse a extrema simpatia da professora que me calhou e que me esteve a explicar que não havia investigação naquele laboratório, a única coisa que lá faziam era avaliar a proteinúria em amostras de urina de doentes do hospital, todos os dias, desde sempre, e que nem dinheiro havia para pensar em fazer investigação, e eu ficaria convencida que era personagem surpresa do Hostel 3, versão Macedollywood. Ainda não descartei essa hipótese de todo, atenção, portanto se por acaso um dia deixar de responder e em Setembro não aparecer nas aulas, procurem o meu nome numa banquinha de DVDs piratas.

“Que puto de fim do mundo em que nos viemos meter” repetia o meu pai. “Ainda bem que já vamos embora amanhã”. Eu fico. Um mês.

PS: Esta crónica é de ontem, mas a internet aqui só existe de vez em quando...

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Roadtrip to Macedónia e anexos - capítulo 2

Dias 3 a 6

De pouco me adianta contar o que se passou nos dois primeiros dias – foram fastidiosos e iguais aos de muitas outras viagens, com todos os incómodos que possam imaginar ser devidos a uma travessia de dimensões quase intra-continentais. O terceiro dia previa-se semelhante aos demais, e eu intentava começar de facto o meu relato no dia que chegasse à Macedónia, previsto para dia 1 de Agosto, ou seja, ontem.

No entanto, hoje é dia 2 e cá estou eu, em Sl. Brod, Croácia, uma pequena cidade a 80kms da Sérvia, e onde são notórias marcas do período de guerra que se travou nos Balcãs – buracos de metralhadoras desferidos nas paredes das casas de civis, quase uniformemente carimbados, como um grito de pretensão de posse. (Para além desses muitos buracos na parede vejo-me obrigada a constatar que a cidade não tem grande ponta por onde se lhe pegue, tendo chegado, por momentos (e peço desculpa às minhas amizades desta cidade oriundas) a compará-la com a Trofa. Felizmente bastou-me um passeio de 10 minutos para reconsiderar a opinião formulada: não há cidade tão feia como a Trofa. Nem mesmo na Croácia.

Não obstante, o que me prende aqui não é uma tentativa antropológica e quase doentia de descobrir uma cidade que consiga suplantar a Trofa em termos de fealdade, até porque, como já referi, não acredito em milagres, nem tenho teima tamanha que me faça percorrer mundos e fundos por um propósito ao qual a falta de fé não ajuda. Mas sou esquecida. E despistada, um pouco. Um pouco mais do que devia... E, admito, após a tortuosa fase de exames que com que tive o (des)prazer de me cruzar, entreguei-me a uma inércia tal que nem o facto de estar prestes a fazer a viagem da minha vida, e adivinhando 5 semanas em países com nomes estranhos e letras que ainda desconheço como se pronunciam (aqueles pequeninos “v’s” em cima das letras fazem-me comichão), me tornou dotada da organização necessária para o efeito. Com efeito, enquanto a minha mãe se esquecia dos pratos e colheres para comermos cereais, eu esquecia-me do passaporte, sabendo que tinha perdido o Bilhete de Identidade dois dias antes. Pelo menos um válido...

E, claro, la vita è bella enquanto os países têm fronteiras abertas para os seus hermanos, e assim passamos Espanha, França, Itália como quem bebe um copo de água (portuguesa, que a croata tem para cima de 500mg/L de resíduos sólidos, é quase gelatinosa e é um mito que mata a sede). Mas, chegados à Croácia, pedem-nos identificação, e qual não é o meu assombro quando vejo o revisor a abrir o meu passaporte e de lá a saltarem as cores vibrantes de que eram dotados os passaportes antes da era digital. Eis perante o senhor (que não deve ter reparado sequer que eu envelhecera pelo menos 8 anos desde a altura em que fora tirada a foto presente naquele documento) o meu passaporte caducado em 2006. Bendito senhor! que não reparou na minha clandestinidade no país. Contudo agora deparava-me com um problema ainda maior: tal como me poderiam ter barrado a entrada na Croácia, podiam a qualquer momento impedir qualquer tentativa de saída desta. Mais grave do que não chegar à minha meta seria não sair nunca de um país onde a beldade é tanta que me sinto bicho, a estatura é tamanha que me sinto anã, e não há sequer arroz para matar a saudade de casa!

Não quero com isto insinuar que não gostei (ou estou a gostar) do país que me recebe. Visitei cidades lindíssimas: Rijeka, Zadar (foto 1), a cidade da juventude, parecia a queima em início de noite, ou o piolho em grande escala, com uma vida nocturna (como quem diz, pelo menos até às 11 da noite) impressionante. A minha turma havia de gostar.

Split, com as suas ruas pequenas que caracterizam as cidades medievais da Croácia, apertadas como a ribeira do porto mas todas feitas pelo calcário que confere a dureza à água que a torna intragável.
De Split seguimos para Dubrovnik. A viagem, que não chegava a 200km de distância, sendo que desses, perto de 80km eram em auto-estrada, demorou-nos 5 horas. Isto porque a dita tinha troços que estavam ainda em terra batida e cascalho, e a nacional tinha filas de fazer desesperar o mais paciente dos humanos em terra. A aflição era tanta que conseguiu arrancar ao meu pai, que considero um dos maiores neo-pessimistas de que tenho memória de ter conhecido, um “Isto nem em Portugal!”. Não é fácil.

A chegada, às 23h00 “deles”, era o culminar de um dia de quase jejum, mais por teimosia parva do que falta do que comer, tortuosas horas de condução (não da minha parte, claro) e visitas a pé a algumas cidades. Digo-vos sinceramente que chegar a Dubrovnik (foto 3) nessas condições, e sem hotel reservado, desconfiando que os restaurantes já não servissem pela hora tardia e nem um mapa que nos orientasse, é exasperante. Mas algo que me apercebi é que na Croácia ninguém fica sem dormir. Seja de tradição ou de longos anos penando pela crise que se vai agravando, há sempre um quarto que alguém anseia por alugar, e há sempre alguém que conhece esse alguém. Neste caso foi o recepcionista do hotel a que nos dirigimos para perguntar se tinha quartos disponíveis. Não é que não os tivesse, mas a nossa expressão de desagrado perante os altos preços que nos apresentava foi suficiente para que nos desse uma alternativa muito mais agradável para a nossa carteira. Foi aí que conhecemos o Michael (imensas desculpas ao senhor, ignoro como se escreva realmente o nome), o senhorio da “piccola casa per piccola persona, like me”, com o qual ouso discordar, tendo em conta que a casa para a normalidade dos quartos que uma pessoa aluga num hotel, era enorme, e o próprio senhor Michael não se podia queixar de ter ficado a dever à estatura. Foi de uma simpatia e de uma hospitalidade que depois vim a concluir que estão inerentes ao povo croata.

Enfim, após uma noite bem dormida, fomos conhecer a parte velha de Dubrovnik. Devo referir que foi uma cidade que também sofreu bastante o confronto que se debatia, nos inícios dos anos 90, entre o país que integra, a Sérvia e a Bósnia (esta última acabou por ficar com um enclave na Croácia muito peculiar, uma faixa de terra fininha de quem se recusa a ser um país exclusivamente interior. É engraçado, vejam no mapa, como é impossível ir a Dubrovnik sem sair da Croácia 10 minutos. Bem, engraçado para quem tem passaporte, na altura não achei piada nenhuma). Mas foi reconstruída, e bem. Mais uma vez, cidade muralhada, medieval, muito simétrica e igual entre si. Belíssima e, contudo, turística em demasia. Dei por mim a imaginar como seria a cidade quando realmente as pessoas viviam para si e não para os turistas. Vi mulheres mal feitas, uma prova de que havia estrangeiras a visitar a cidade, ouvi muito português, muito italiano. 80% das lojas eram de souvenirs para os meninos, e vêm-se obrigados a fazer contas se insistirem em pagar em kunas (moeda oficial da Croácia), por tanto trabalharem com euros! Comprei cascas de laranja cristalizadas, paguei caro por um bom peixe grelhado, e parti.

O destino agora era Zagreb, local onde a UPS conseguiu colocar o meu passaporte em 2 dias (digo-vos já que a partir de agora passou a ser a minha transportadora oficial, e se, por acaso, me esquecer de algum livro na longa distância que percorro de minha casa à faculdade, não hesitarei em socorrer-me dela). Só que não reservarmos hotel constitui uma vantagem quase que evolutiva na relação entre a minha família: consegue matar a sede de descoberta da minha mãe, enquanto o meu pai resmunga, e acalmá-lo quando verifica que afinal valeu a pena! E com o bater de asas da borboleta que move os tufões da curiosidade no mais íntimo da minha progenitora se mudou o destino: afinal iríamos visitar a maior reserva natural da Croácia (cujo nome não me recordo de momento, mas não tardarei a actualizar a página, logo que pergunte à minha mãe).

Mais uma vez a hospitalidade marcada deste ser que é o croata-senhorio foi notória. Depois de nos perguntarem de que país éramos (julgam-nos sempre espanhóis!), serviram-nos um vinho avinagrado com uma travessa de salsichas com batatas assadas que o meu pai insistia serem cozinhadas à maneira portuguesa! Ao pequeno-almoço lá lhe fizeram a vontade e deram-lhe torradas com manteiga “because I know that you, spanish people, like toasts”. Olé.

A hora já tarda, e não tenho ainda aqui as fotos do parque, logo amanhã continuarei a crónica.

Obrigada pela paciência de quem está de férias ou me tem em grande apreço!

sábado, 15 de agosto de 2009

Richard Cheese_O stand up cantado

A semana passada deram-me a ouvir, no meio de horas incontáveis de formidáveis fados de Coimbra, Richard Cheese.

Nunca tinha ouvido falar, mas ao que parece anda a fazer furor pela outra margem do Atlântico. Numa era de comediantes e humor negro, chega mais uma paródia à música, a toda ela, desde Madonna a Beyoncé, Red Hot, Nirvanna, Radiohead, sem discriminação.

A título de curiosidade, Richard Cheese, pseudónimo de Mark Jonathan Davis, é parte integrante da banda Lounge Against the Machine, cujos elementos têm todos pseudónimos de tipos de queijo.

E agora, a melhor parte:


quarta-feira, 8 de julho de 2009